O Centro

Stanislas Tomkiewicz, TOM para os amigos, foi um pedopsiquiatra e psicoterapeuta reconhecido, internacionalmente que dedicou, toda a sua vida, às crianças e aos adolescentes em sofrimento psicológico e vítimas de injustiças e maus tratos.
Mostrando-se, sempre, em empatia solidária com o sofrimento psicológico das crianças e dos jovens, activo defensor e praticante da “atitude activa afectiva”, TOM transmitia, sempre, às crianças e jovens que tratava, a convicção de que eram dignas de ser amadas, oferecendo-lhes os meios para se fazerem amar.
Militando sempre pelo humanismo nas práticas terapêuticas destinadas às crianças e aos jovens em sofrimento psicológico e em risco, dedicou toda a sua vida a encontrar modos inovadores e eficazes na reeducação de adolescentes socialmente desadaptados e em risco social.
No Centro para Jovens em risco que coordenou em Paris, durante quase 30 anos e que se tornou numa referência internacional, Tom e os seus colaboradores, alicerçaram a sua prática clínica no objectivo de adaptar o adolescente a si próprio, como forma de o ajudar a reconciliar-se com a vida, oferecendo-lhe um quotidiano baseado na democracia, na liberdade, no voluntariado e em actividades como o cinema e a fotografia.
Tom tinha um olhar muito brilhante e matreiro, um rosto aberto e franco, um sorriso que nos acolhia sempre como bem-vindos. Sabia ouvir todas as vozes sem palavras e toda a música secreta e única que toda a pessoa tem dentro de si.
Nasceu na Polónia, numa família judia, sobreviveu ao gueto de Varsóvia, foi deportado para um campo de concentração e sobreviveu a uma longa tuberculose. Todas estas experiências despertaram nele a vontade de se dedicar à pediatria e à pedopsiquiatria.
“Trabalho com os adolescentes porque me roubaram a minha própria adolescência.”, costumava dizer quando recordava os seus anos de juventude passados dentro do gueto de Varsóvia.
Livre-pensador, foi um combatente incansável pela Convenção dos Direitos da Criança, lutando por tudo o que considerava ser um abuso de poder ou uma violência sobre as crianças e os jovens.
O essencial, para Tom, estava na verdade da pessoa, acreditando sempre na capacidade que toda a pessoa tem para se reconstruir e para utilizar as suas forças e a sua inteligência nessa reconstrução. A sua experiência pessoal, os seus conhecimentos profundos da pessoa humana, a sua largueza de horizontes, a sua coragem, levaram-no, sempre, a pôr a fasquia muito alta nos seus projectos e realizações.
Não suportava a mediocridade, a estupidez e a injustiça, lutando pela verdade e pela reconciliação.
Por isso, eu sei que o TOM gostaria muito deste bairro e de todo o trabalho do Moinho da Juventude. Penso que ficaria muito contente por saber que o seu nome estava ligado a este projecto do centro de documentação e que nos brindaria com a sua gargalhada franca e o seu “Genial, não acham?” e vos diria que o Moinho da Juventude é um bom exemplo da esperança que teve sempre de que a humanidade continua a saber encontrar soluções inéditas que sabem conciliar justiça social e liberdade individual.
E eu, Ana Vasconcelos, só me resta agradecer a todos vocês, terem aceitado a minha sugestão de dar o nome deste meu querido professor que tanto me ensinou a saber lidar com o sofrimento da alma das crianças e dos jovens.

[Ana Vasconcelos]

 

Centro Tomkiewicz = Um Think Tank
uma cisterna de ideias com regas acopladas

Perspectiva ideológica: as Traves Mestras e a Missão do Moinho na área da Formação

Textos de base:

> “O Centro Tomkiewicz”, um texto de Ana Vasconcelos (28-01-2006)
> “Acerca da Fragilidade do Desassossego”, um texto de Danny Wildemeersch (04-02-2010)
> Os efeitos do som transcultural e da Música na terapia, educação e construção da comunidade, um texto de Greet Wielemans (18-10-2012), uma revisitação duma arte proibida.

Desde a sua criação, nos anos ´80, a formação (em exercício) foi uma pedra preciosa na Associação Cultural Moinho da Juventude. Em 1998, o Moinho foi reconhecido oficialmente como Centro de Formação. As exigências a nível da organização da Formação cresceram de tal forma, que resta pouco tempo para a reflexão sobre o conteúdo da formação.
Decidiu-se por isso apostar na formalização de 2 equipas. A equipa ‘estrutura e organização’, que iniciou os seus trabalhos a 4 de Fevereiro de 2013, e o Centro Tomkiewicz, constituído em Janeiro de 2013.

 

Os Objectivos

O Centro Tomkiewicz propõe-se:

Reflectir sobre as actividades formativas organizadas pelo Moinho da Juventude:
– A avaliação da execução do Plano de Formação trienal do Moinho
– A formação Interna dos Colaboradores
– A formação de Formadores

Proporcionar consultadoria para acções de formação futuras, como é o caso de
– A elaboração do Plano de Formação trienal do Moinho
– A formação dos colaboradores
– As sessões anuais de formação e reflexão dos colaboradores da Associação Moinho da Juventude

Proporcionar consultadoria para estratégias e desenvolvimento de áreas de formação do Moinho:
– O trabalho em tandem, o perfil do Técnico da Experiência
– A Teoria de Interligação
– A metodologia: “Diagnosticar, Reflectir, Agir”
– A operacionalização das Traves Mestras
– A vinculação

Metodologia de trabalho

Procuramos um equilíbrio entre pesquisa, consultadoria e reflexão sobre Formação, com o objectivo de

1. Disponibilizar documentos do Moinho na área da Formação:
2. Valorizar os conhecimentos e as experiências existentes;
3. Trocar experiência, leitura, ler em conjunto;
4. Convidar pessoas para reflectir em conjunto connosco

 

Os colaboradores do Centro Tomkiewicz

Patrícia Dias, Lic. em R.H., secretária-geral da Direção, Coordenadora pedagógica e responsável pelos Recursos Humanos no Moinho da Juventude
Flávio Almada, Lic. Tradução e Escrita Criativa, vogal da Direcção e animador sócio-cultural do Moinho da Juventude
Júlia Carolino, antropóloga, investigadora do GESTUAL|CIAUD, Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa
Mariana Caldeira, psicóloga, colaboradora no projecto “O PULO” do Moinho da Juventude
Rita Domingos, psicóloga, colaboradora no GIP / Gabinete de Apoio ao Emprego e Empreendedorismo
Patricia Pelotte, educadora de infância, terapeuta em Experiência Somática
Lut Caenen, Mestre em Filosofia, coach
João Ricardo Rodrigues, Lic. em Fotografia e Cultura Visual, gestor, editor, criativo e autor
Lieve Meersschaert, psicóloga, moradora na Cova da Moura, coordenadora do Centro Tomkiewicz